Novo Single, Novo Disco, Novo Mundo 

Quando a quarentena começou eu pensei:

- Feito! Agora eu termino tudo aquilo que estava pela metade e começo tudo o que está em algum papel guardado na gaveta. 

 


 

Na minha mais fértil imaginação positivista o governo apesar de toda a sua ignorância, mal caratismo e plano de poder quase maquiavélico, iria se ajustar e se alinhar com o que vinham fazendo estados e municípios, principalmente aqui no RS que, desde cedo, começaram a fazer o tal distanciamento social, e isso seria tirado de letra. Mas não foi assim. Nem o acelerador foi até o fundo para agilizar todos os projetos que achei que teria tempo de executar, muito menos o freio de mão foi puxado na transmissão e contágio do vírus. 

Mas, calma! Também não tá sendo um desastre completo. Digo isso quanto a produção de materiais e execução de projetos pessoais e do Cartel da Cevada, né. Em relação ao vírus e ao nosso (des)governo federal tá louco pqp. 

 Não podia estar pior, mais vergonhoso e mais assassino do que está. Mas, para dizer a verdade, eu não apostaria nisso. Comprovei o que eu já sabia quando o #BolsonaroCorno foi eleito com aquela facada fake que com esta corja extremista, pseudo religiosa, armamentista e “tudo pelo agro” não se pode duvidar de que algo pior pode vir a acontecer a qualquer momento. Mais provavelmente no próximo domingo. 

Entre os lava a mão, lava chão, lava tênis, lava botas, lava as compras, bota a máscara, decide qual boleto vai pagar, pensa de que jeito vai pagar o supermercado para poder almoçar e jantar, algumas coisas andaram.  

Mas vou dizer para vocês, não tá fácil ter tempo e cabeça depois de todas as rotinas diárias, depois de muitas notícias bizarras e com alguma empatia sequer pelos que estão sofrendo muito mais do que nós aqui no RS. E também não é fácil “usar este momento para inspiração” por que 1- não somos oportunista de ocasião, principalmente uma tão foda e 2 - queremos cantar churrasco, cerveja, amigos, amores e alegria. O mundo já anda pesado demais pra gente querer subir no palco pra deixar todo mundo deprimido mas, tchê louco, tá difícil não falar sobre isso tudo que vem acontecendo no Brasil. Nós estamos mais baixo que novela mexicana, mais filha da puta do que house of cards e mais sangrento que vikings. 

Estamos finalizando mais um single (que ainda não podemos revelar o nome mas que em muito breve será disponibilizado) e começamos a pré produzir nosso terceiro disco de estúdio - que por motivos de “essa gurizada maluca - nós incluídos- mudou os hábitos e não sabe mais ouvir disco inteiro como se deve” será lançado fragmentado em EPs e depois, talvez, faremos um novo crowdfunding para quem ainda é daquelas almas que gostam de curtir seu rock n’ roll e metal com o encarte na mão. 

Além disso: 
- Toda a segunda no instagram e no face sob a hashtag #SegundasDeSolo todos os solos das nossas músicas em vídeo pra galera curtir; 
- Nas terças estamos tentando escrever e postar alguma coisa aqui no blog ;
- Sexta no nosso instagram é dia de vídeos no estilo “violão e voz” com músicas nossas e também covers de clássicos das nossas rodas de violão de quando a gente era piá.

Então, apesar dos pesares, continuamos dando encontrão na vida para que ela ande para frente. Com um caneco de cerveja em uma mão e um osso de costela na outra nós vamos. Sem perder o senso de realidade, fazendo a nossa parte e lutando para que tudo melhore. 

Nos acompanha nas redes sociais, rapá (principalmente o instagram @carteldacevada, estamos bem mais ativos por lá ultimamente) e nos escute no teu serviço de streaming preferido. Isso é muito importante para a sobrevivência de uma banda independente. 

Um grande abraço e não afrouxa, tchê! 

Igor

Leave a comment

Add comment